Share |

Artigos

Junho 17, 2019 02:55 PM

Neste aspecto devemos lembrar que o Algarve é uma enorme fonte de receitas para o País, e certamente conseguirá verbas para fazer face às hipotéticas despesas, acrescentando que deve surgir uma dinâmica de solidariedade para com as regiões mais desfavorecidas do todo nacional.

Aquando do referendo de 1998, a regionalização foi-nos sempre apresentada como algo prejudicial para o País devido a criar desigualdades regionais. Surgiu a promessa por parte dos adversários da regionalização, que iriam ser feitos mais investimentos nas regiões de forma a ultrapassar as diferenças regionais existentes. Pouco ou nada foi feito!

 

Estamos em 2019, no Algarve não há transportes públicos em condições, a ferrovia é um horror, a A22 está portajada com elevados custos para os algarvios e a saúde é uma lamentável tristeza com prejuízos para os utentes. Os politicos do Algarve, nomeadamente os do PS/PSD/CDS têm sido subservientes ao poder central, com as consequentes perdas para a região. Acresce a pertinência de grande parte dos impostos do turismo serem pagos em Lisboa e o Algarve ser apenas explorado.

 

Junho 16, 2019 01:59 PM

O Bloco de Esquerda/Algarve lamenta e protesta com veemência pelo encerramento da Maternidade do Hospital de Portimão entre os dias 7 e 11 de junho. Pelo que se sabe, a maternidade encerrou nestes dias devido à falta de médicos pediatras que assegurassem os cuidados neonatais em presença física. Desta forma, não estavam garantidos os mínimos de segurança para as grávidas que ali acorressem. As grávidas em trabalho de parto têm sido reencaminhadas para o Hospital de Faro, exceto os casos emergentes.

O Bloco de Esquerda/Algarve lamenta e protesta com veemência pelo encerramento da Maternidade do Hospital de Portimão entre os dias 7 e 11 de junho. Pelo que se sabe, a maternidade encerrou nestes dias devido à falta de médicos pediatras que assegurassem os cuidados neonatais em presença física. Desta forma, não estavam garantidos os mínimos de segurança para as grávidas que ali acorressem. As grávidas em trabalho de parto têm sido reencaminhadas para o Hospital de Faro, exceto os casos emergentes.

 

Tudo isto, causa graves transtornos às utentes, que têm de se deslocar dezenas, ou até mais de uma centena de quilómetros, por exemplo desde Aljezur ou Vila do Bispo, para Faro, o que é inadmissível e representa mais uma pedra no SNS no Algarve.

 

Junho 13, 2019 12:57 PM

Os deputados do Bloco de Esquerda João Vasconcelos e Luís Monteiro questionaram esta sexta-feira o Governo no sentido de saber se este está a acompanhar as intenções do Conselho de Administração da RTP de alienar as atuais instalações da Delegação da RTP-Algarve, e que avaliação faz desta possibilidade, caso a mesma venha a concretizar-se.

Os deputados do Bloco de Esquerda João Vasconcelos e Luís Monteiro questionaram esta sexta-feira o Governo no sentido de saber se este está a acompanhar as intenções do Conselho de Administração da RTP de alienar as atuais instalações da Delegação da RTP-Algarve, e que avaliação faz desta possibilidade, caso a mesma venha a concretizar-se.

 

De acordo com notícias vindas a público, o Conselho de Administração da RTP pretende alienar as atuais instalações da Delegação da RTP-Algarve  e terreno adjacente próprio e a relocalização da Delegação da RTP-Algarve para instalações da Universidade do Algarve, no Campus da Penha, em Faro.

 

Junho 7, 2019 10:39 AM

No Bloco de Esquerda entendemos que uma verdadeira emancipação LGBTI+ passa não só pelos vários direitos legais que já foram garantidos à comunidade, mas também por construir uma igualdade social plena, acabando com a cultura patriarcal, binária e heteronormativa que vigora na sociedade, desconstruindo a discriminação LGBTI+ sofrida pela comunidade nos espaços públicos e privados e garantindo uma plena inclusão nos locais de trabalho e nas várias instituições desde a saúde até à educação.

O Bloco de Esquerda congratula-se com a realização da 2ª Marcha LGBTI+ do Algarve e mais uma vez marcará presença nesta Marcha que tem como lema "com plena igualdade, cidadania humanidade e inclusão das pessoas LGBTI+!"

A história da Marcha LGBTI+ tem originem do final dos anos sessenta, em Nova Iorque, com os protestos por membros da comunidade LGBTI+ contra a invasão da polícia ao bar Stonewall, que era na altura o maior bar LGBTI+ dos Estados Unidos. Desde então que se comemora todos os anos em Nova Iorque estes protestos de Stonewall que representam um marco importante na luta pelos direitos e emancipação LGBTI+. Este movimento estendeu-se desde então por quase todo o mundo. Em Portugal a primeira Marcha foi realizada no dia 28 de Junho de 2000 em Lisboa e aqui no Algarve foi com muita alegria que o Bloco participou na primeira Marcha em 2018.

Junho 4, 2019 04:28 PM

O Bloco de Esquerda encontra-se no bom caminho no Algarve e em todo o país e o que importa é continuar a trabalhar, mais e melhor, em prol do bem-estar e de melhor qualidade de vida para as populações da região. Pela defesa e melhoria do SNS, da Escola Pública, por uma melhor mobilidade, pelo trabalho com direitos e o combate à precariedade, o combate pela descarbonização da economia e a resposta à emergência e às alterações climáticas, a luta contra a pobreza e a exclusão social, pelo direito à habitação para todos, pela justiça fiscal e pela diversificação e sustentabilidade económica.

A Comissão Coordenadora Distrital do Bloco de Esquerda/Algarve, ao analisar os resultados eleitorais na região, decorrentes das últimas eleições europeias, considera muito preocupante o nível de abstenção atingido no Algarve, 73,08%, mesmo superior à percentagem de abstenção a nível nacional (69,05%), o que se traduz em apenas 25,08% dos votos expressos nas forças políticas, considerando o total dos eleitores inscritos nos cadernos eleitorais.

Este nível record de abstenção, no Algarve e a nível nacional, podem justificar-se pelas políticas europeias contrárias aos interesses dos cidadãos, pela imposição de medidas austeritárias e repressivas e pelo parasitismo e corrupção que grassam nas instituições da UE. Diversas políticas governamentais, deste e de anteriores governos, subservientes aos ditames europeus e à finança corrupta também contribuem para agravar a abstenção.

Maio 31, 2019 10:53 AM

A votação do BE no Algarve é a 2ª mais alta do país (12,9%), logo a seguir a Coimbra (13,01%), o distrito da Marisa e do Pureza. Acho que merecemos uma medalha!

A votação do BE no Algarve é a 2ª mais alta do país (12,9%), logo a seguir a Coimbra (13,01%), o distrito da Marisa e do Pureza. Acho que merecemos uma medalha!

 

 

No Algarve, o PS tem uma vitória expressiva (34%). O PSD é o segundo com uma média de 17%. O BE fica em 3º lugar de modo claro com 12,9% a 4 pontos do PSD e a 5 da CDU (7,3%). Os concelhos de Portimão, Olhão e Lagos aproximam-se dos 15% e Faro tem 14%.

1 - Na votação do PSD destaco que:

Maio 30, 2019 03:52 PM

A mensagem do Bloco por uma Europa mais justa, das pessoas e para as pessoas (mais solidariedade, qualidade de vida, justiça social e paz), teve eco junto dos eleitores, apesar de infelizmente se continuarem a registar fortes índices de abstenção. A todos e todas que se identificaram com a postura e propósito da candidatura do BE, que reconheceram o trabalho árduo e competente e a necessidade da sua continuidade no combate contra as alterações climáticas, pela defesa dos serviços públicos, pela defesa do emprego com direitos e complementar denúncia das promiscuidades entre o poder político e as elites económico-financeiras (offshores, evasão fiscal, indústria do armamento, ideologia liberal da prepotência do mercado e da minimização do papel do Estado no desenvolvimento), o nosso OBRIGADO! Continuamos juntos a luta por uma sociedade mais igual e justa!!!

A mensagem do Bloco por uma Europa mais justa, das pessoas e para as pessoas (mais solidariedade, qualidade de vida, justiça social e paz), teve eco junto dos eleitores, apesar de infelizmente se continuarem a registar fortes índices de abstenção. A todos e todas que se identificaram com a postura e propósito da candidatura do BE, que reconheceram o trabalho árduo e competente e a necessidade da sua continuidade no combate contra as alterações climáticas, pela defesa dos serviços públicos, pela defesa do emprego com direitos e complementar denúncia das promiscuidades entre o poder político e as elites económico-financeiras (offshores, evasão fiscal, indústria do armamento, ideologia liberal da prepotência do mercado e da minimização do papel do Estado no desenvolvimento), o nosso OBRIGADO! Continuamos juntos a luta por uma sociedade mais igual e justa!!!