jornadas autarquicas

Janeiro 29, 2013 12:32 AM
Março 19, 2012 12:00 AM

No próximo sábado, dia 24 de Março, o Bloco de Esquerda promove um encontro com autarcas e militantes no Centro Autárquico de Quarteira, para debater a aplicação da lei da reforma administrativa nos Concelhos do Algarve.

Janeiro 20, 2012 12:00 AM

No próximo dia 28 de Janeiro, sábado, pelas 14h30, no Convento de São José em Lagoa, os bloquistas Algarvios discutem a reforma da administração local proposta pelo governo no “livro verde”.

Maio 11, 2009 11:00 PM

O Bloco de Esquerda, realizou no passado Sábado, 9 de Maio, no auditório da Biblioteca Municipal de Faro o III Encontro Autárquico do Algarve.

Fazer o balanço da actividade desenvolvida pelos seus 14 eleitos, em Assembleias Municipais e de Freguesia na Região, e perspectivar a intervenção eleitoral em 2009 foram os objectivos do Encontro.

Maio 9, 2009 11:00 PM

No passado Sábado, realizou-se em Faro, o 3º Encontro Autárquico Regional do BE/Algarve. Na reunião estiveram presentes aderentes e simpatizantes de todos os núcleos e ainda de outras localidades. 

Opinião

Presentemente, em Olhão, faltam casas para venda ou arrendamento e as poucas que existem atingem preços elevadíssimosComo satisfazer a necessidade de habitação dos jovens e das famílias mais carenciadas? Para resolver este problema tem que haver investimento municipal e vontade política para utilizar os instrumentos e condições disponíveis. É então possível minorar a grave carência de habitações com que atualmente os  olhanenses se vêm confrontados 

O turismo náutico é um tipo de turismo cada vez mais em moda e com tendência à massificação (…). No caso do projeto para Olhão, em que o porto de recreio e a área de navegação se encontram em plena Ria Formosa, colocam-se todos os problemas ambientais e socio-económicos que daí advêm (…): põe em risco o equilíbrio ecológico da área protegida da ria; (…) põe risco recursos de pesca com papel importante na economia local e qualidade de vida das populações; (…) prejudica a relação visual com a ria e a preservação da imagem global de açoteias e mirantes que identifica a cidade cubista; (…) implica a deslocalização de atividades tradicionais, o que irá destruir modos de vida únicos e autênticos que fazem parte de uma apropriação popular das zonas ribeirinhas (…) (VER ARTIGO COMPLETO NO INTERIOR)