Share |

Groundforce: Cerca de 200 pessoas protestaram em Faro contra despedimentos

 

Cerca de 200 pessoas concentraram-se hoje à frente da entrada do terminal de partidas do aeroporto de Faro, num protesto convocado por e-mail e sms contra os despedimentos na Groundforce. 

Trabalhadores, amigos e familiares responderam à convocação feita por e-mail e mensagens de telemóvel e reuniram-se para demonstrar a sua oposição à decisão da administração da empresa, que anunciou a extinção das operações no aeroporto de Faro e o despedimento de 336 colaboradores. 

Entre os trabalhadores que se encontravam no local estava Gustavo Jesus, na empresa há mais de 20 anos, que disse à Lusa sentir-se perplexo com a decisão. 

“Este protesto faz sentido, porque somos indivíduos que estamos a trabalhar há anos na empresa, eu tenho 25 anos de casa. Entregamos a vida a isto, fizemos sacrifícios para a manter viável e não esperávamos esta situação desumana”, afirmou, referindo-se ao despedimento, divulgado inicialmente pela imprensa e comunicado pela empresa aos funcionários por e-mail. 

Igualmente presentes estavam José Conceição e Maria João Ribeiro, membros da subcomissão de trabalhadores de Faro da Groundforce, que disseram sentir-se reconfortados com o apoio recebido a propósito da convocação do protesto. 

“Isto é uma situação inédita, nunca houve um despedimento desta dimensão na região e o sentimento é de desilusão e tristeza”, afirmou Maria João Ribeiro. 

José Conceição frisou que os trabalhadores “têm feito alguns sacrifícios, sem apontar horas, sem almoçar” e que, “depois de um verão tão movimentado quanto o que passou, esta foi uma situação completamente inesperada”.