Share |

"Faltam 350 enfermeiros na região do Algarve"

Foto de Paulete Matos

O Bloco de Esquerda apresentou um Projeto de Resolução que recomenda ao Governo a contratação de enfermeiros para o Serviço Nacional de Saúde (SNS).
Os deputados do BE consideram que o país vive um paradoxo no que concerne à enfermagem, pois faltam os profissionais para as unidades do SNS e, no entanto, muitos estão no desemprego e outros têm baixos salários ou são sujeitos à precarização laboral.
Só da região do Algarve, estão em falta 350 enfermeiros, identificam os parlamentares do BE e acrescentam "sobrecarregam-se os enfermeiros que atualmente trabalham, enquanto se intensifica a contratação precária, seja a recibos verdes ou recorrendo a empresas de trabalho temporário."
Esta situação - de absoluta indignidade laboral - tem levado muitos destes profissionais a optarem pela emigração, estimando-se que cerca de um terço daqueles que terminaram a formação superior em enfermagem já saíram do país.
Segundo um estudo da Ordem dos Enfermeiros, o principal motivo que leva os enfermeiros a emigrar é a falta de emprego, seguido da ausência de perspetivas de progressão na carreia e, em terceiro, o nível de remuneração salarial no país de emigração, sendo o Reino Unido o principal destino dos enfermeiros portugueses.
As deputadas e deputados do BE consideram haver um longo caminho a percorrer em Portugal, no que concerne à disponibilidade de cuidados de saúde à população.
Para o BE, há que melhorar o acesso, garantir mais e melhores cuidados, mais serviços e maior proximidade.
Uma das propostas do BE é a implementação do enfermeiro de família, sendo esta solução um progresso inequívoco para o SNS.
Há dificuldades no SNS que "dependem apenas da decisão política para a sua efetivação. É o caso da enfermagem: há falta de enfermeiras/as nas unidades do SNS e há enfermeiras/as qualificadas/as passíveis de serem contratados."
 "Falta apenas decisão política para abrir concursos públicos que permitam a contratação dos enfermeiros necessários ao cabal funcionamento das unidades do SNS. É preciso que a decisão seja tomada, a bem dos utentes, dos cuidados de saúde prestados à população, das equipas e do SNS.", concluem as deputadas e deputados do BE.

Ler aqui o referido Projeto de resolução.