Share |

População manifesta-se pela urgência básica de saúde a 100%

Centenas de pessoas manifestaram-se em Loulé contra a falta de meios do Serviço de Urgência Básica e reivindicando o seu funcionamento a 100%. O presidente da Câmara participou no protesto, mas a ARS do Algarve diz que está tudo bem e não falta nada em Loulé. O Bloco já tinha questionado o governo.

A marcha e o cordão humano decorreram nesta quarta-feira em Loulé e foi convocado pelo movimento de cidadãos em defesa dos serviços públicos de saúde.

Segundo a agência Lusa, as pessoas transportavam cartazes com frases escritas em cartolinas onde se podia ler: “Queremos as urgências a funcionar a 100%” ou “exigimos mais profissionais de saúde”.

O presidente da Câmara de Loulé, Vítor Aleixo, que se juntou ao protesto, disse à Lusa que a Câmra tem disponibilizado consumíveis para a impressão de receitas médicas, viaturas para serviços médicos externos e postos de atendimento nas freguesias do concelho.

“A autarquia faz o que pode mas não tem, nem pode contratar médicos, enfermeiros e pessoal administrativo”, declarou Vítor Aleixo e explicou à Lusa que as respostas que tem recebido por parte das entidades competentes sobre a gestão do Serviço de Urgência Básica (SUB) de Loulé são ambíguas e não afastam a preocupação com o funcionamento daquele serviço.

Confirmando as preocupações do presidente da Câmara de Loulé, a Administração Regional de Saúde (ARS) do Algarve fez sair um comunicado, durante a manifestação onde é afirmado que o SUB de Loulé está a funcionar "normalmente" e conta com “o número de profissionais adequado e necessário”.

O Bloco de Esquerda já tinha, em 6 de maio, questionado o governo sobre a falta de médicos no SUB de Loulé. (ver pergunta completa) Na pergunta, o Bloco sublinhava que o SUB de Loulé “tem vindo a deparar-se com constantes dificuldades para o desempenho das suas funções, designadamente no que concerne à falta de médicos” e referia que “esteve a funcionar sem médicos nos dias 1 e 2 de maio”.

O Bloco perguntava, nomeadamente, ao governo: “que medidas estão a ser tomadas para resolver a situação de falta de médicos no SUB de Loulé?”

Segundo a Lusa, também sindicatos e utentes alertaram para a falta de profissionais em determinados turnos no SUB de Loulé, situação que seria causada por um diferendo entre a ARS e o Centro Hospitalar do Algarve sobre a tutela e a responsabilidade de contratar profissionais para prestarem serviço nos Serviços de Urgência Básica.

Publicado no esquerda.net

aqui as fotos da manifestação