Share |

Pós-Algarve Alternativo \\ Encontro de Jovens

No passado dia 27 de Abril teve lugar o Algarve Alternativo \\ Encontro de Jovens, um evento dedicado à juventude que acredita numa sociedade Alternativa. Uma sociedade democrática, ecossocialista e feminista que combate a discriminação e rejeita a precariedade crescente. Este evento foi organizado pela Comissão Coordenadora Distrital do Bloco de Esquerda do Algarve (CCDBEA) numa perspetiva de conhecer e dar voz às opiniões da juventude progressista em relação a temas que lhe são pertinentes. No Bloco de Esquerda entendemos que só envolvendo politicamente mais jovens é possível provocar uma mudança na sociedade e revela-se assim de extrema importância ir ao encontro dos jovens com atividades onde estes possam ser ouvidos e consigam ser críticos e reflexivos.

O encontro teve início com uma sessão sobre o 25 de Abril, onde estiveram presentes o deputado João Vasconcelos e o jovem estudante Diogo Alexandre. O que se observou-se foi uma cativante junção de pensamentos de duas gerações diferentes. Numa perspetiva mais histórica, o deputado João Vasconcelos descreveu como era a sociedade antes, durante e logo depois da Revolução dos Cravos, com um destaque para a repressão e a perseguição política que existia no antigo regime. O Diogo Alexandre, no seu discurso, proferiu que os direitos conquistados em Abril estão hoje sobre ataque, por exemplo, com os sucessivos atentados pela direita aos direitos laborais e disse ainda que esta mesma direita “chama privilégio à ação social para que não se olhe ao verdadeiro privilégio”,

De seguida foi altura de falar sobre Alterações Climáticas e Ecossocialismo. O representante da Plataforma Algarve Livre de Petróleo (PALP) Nicolas Blanc e a ativista climática Sofia Oliveira defenderam a importância do trabalho ativista para a reivindicação de um sistema energético descarbonizado. O Nicolas da PALP espelhou detalhadamente o processo judicial que levou ao abandono dos contratos de prospeção e exploração algarvios e referiu que continua a sua luta sensibilizando alunos das escolas para as questões ambientais. A Sofia Oliveira falou sobre a importância de ter havido uma greve estudantil climática com uma grande adesão e proferiu que no próximo dia 24 de Maio haverá outra greve segundo os mesmos princípios. A Gema Macías e a Teresa Silva, representantes da Assembleia Feminista de Lisboa, trouxeram ao debate uma perspetiva ecofeminista, defendendo que só quando abandonarmos o sistema capitalista, a hegemonia Norte-Atlântica sobre a produção científica e a conceção virilizada que existe sobre a sociedade é que conseguiremos criar um sistema sustentável para toda a população deste planeta.

Durante a sessão dos populismos, José Gusmão, candidato do Bloco de Esquerda ao Parlamento Europeu, analisou um debate da campanha eleitoral de Bolsonaro, mostrando quão fracas eram as respostas económicas deste (e da extrema-direita em geral). Referiu ainda que a melhor maneira de garantir a fraqueza da extrema-direita é ocupando os espaços do discurso público que muitas vezes se encontram alienados e que são presas fáceis para os populismos extremistas. O jovem estudante de antropologia Daniel Macedo, utilizou o seu tempo para fazer uma análise dos vários movimentos de extrema-direita que têm surgido a nível global, procurando expor as convergências e divergências entre eles.

Finalmente, foi altura de o Algarve Alternativo discutir a precariedade crescente na vida dos trabalhadores. As convidadas para este painel foram a deputada Isabel Pires, a representante do coletivo Precários Inflexíveis Ana Feijão e a candidata ao Parlamento Europeu pelo BE Helga Viegas. As intervenções das três oradoras foram consensuais, proferindo que o sistema capitalista insiste em dividir os trabalhadores e que só com uma melhor organização dos trabalhadores é possível combater a precariedade crescente. A deputada Isabel Pires referiu ainda que “é preciso percebermos que uma vida não precária é possível, apesar de parecer que há sempre desculpas para continuarmos precários, ou é porque é um estágio, ou é porque estou a criar currículo, ou é porque estou a ganhar experiência e quando damos por nós já passámos 10, 15, 20 anos nisto”.

O Algarve Alternativo \\ Encontro de Jovens foi um dos muitos eventos que se seguirão nesta estratégia do Bloco de Esquerda no Algarve de ir ao encontro dos jovens. Como só envolvendo politicamente mais jovens é possível provocar uma mudança na sociedade, esperamos por ti numa próxima oportunidade.