Share |

Comunicado: O Bloco de Esquerda exige a reabertura imediata das estações dos CTT encerradas e a proibição do encerramento de novas estações!

O anterior governo PSD/CDS, às ordens do capital financeiro internacional, muito bem defendido pela troica, entregou os CTT ao capital privado. Na altura, foi dourada a pílula, com a estafada narrativa da superior qualidade dos serviços prestados pelos privados, em comparação com a do serviço público.

Os frutos amargos dessa “ilusão” vão sendo aqui e ali colhidos pela população e por quem acreditou na conversa fiada de gente "séria",... quando não ri...

O "aqui e ali" tem calhado, naturalmente, também ao Algarve. Assim é que, desta vez, foram encerradas mais duas estações dos CTT, Alcoutim e Estoi e se anuncia o fecho das de Sagres e Praia da Luz. Nos dois primeiros casos, os serviços estão a ser assegurados pelas respetivas autarquias, o que certamente irá também acontecer nas duas estações do Barlavento, com prejuízo claro das populações (Sagres dista cerca de 8 Km de Vila do Bispo, sede de concelho, e Praia da Luz dista 7 Km de Lagos). Os postos agora crucificados e/ou a crucificar no altar do lucro dos investidores privados vão, na melhor das hipóteses, constituir uma sobrecarga para os magros orçamentos das autarquias e causar graves prejuízos às populações locais.

Sob a desculpa de que não pode interferir na esfera privada, o atual governo, não obstante crítico do anterior governo PSD/CDS, tem assobiado para o lado. Como denuncia o Sindicato Nacional dos Trabalhadores dos Correios e Telecomunicações (SNTCT), a inação do governo está a custar “a todos nós portugueses, a destruição de um Serviço Público Postal que foi de qualidade e não o está a ser. (...) Um Serviço Público fundamental para a economia e coesão social e territorial do País”. Para o SNCTC, este governo, ao não intervir, torna-se igualmente responsável pela destruição dos quase 500 anos de história dos CTT. Como diz o Sindicato, “a destruição dos CTT é uma evidência que só não vê quem não quer”, sendo urgente a defesa do serviço público postal, bem como do bem-estar social e profissional dos trabalhadores dos CTT.

Mas nem tudo é desgraça, alguém fica a ganhar no meio de tudo isto: os lucros dos acionistas aumentaram para o dobro e o ordenado do administrador dos CTT ultrapassa os 3 mil euros por dia!!!

Infelizmente, mantém toda a atualidade o que disse a Coordenadora Nacional do Bloco de Esquerda, faz agora um ano, aquando da concentração convocada pelo BE junto de mais uma estação que nesse dia encerrava em Lisboa. Catarina Martins denunciou o “incumprimento claro da base do serviço público”, defendeu que os CTT deviam ser resgatados para a esfera pública e sublinhou que “uma ganância absurda está a destruir os CTT”.

O Bloco de Esquerda não vai calar-se perante este “fartar vilanagem” e, na Assembleia da República, vai apresentar propostas no sentido de reverter esta situação calamitosa. O Bloco de Esquerda exige que, de imediato, se proceda à reabertura das estações dos CTT encerradas e que seja impedido o encerramento de novas estações. Porém, será determinante a mobilização das populações em defesa dos seus direitos.

Por um Serviço Público, de qualidade, dos CTT, também no Algarve!

Faro, 12 de janeiro de 2019

O Secretariado da Comissão Coordenadora Distrital do Algarve do Bloco de Esquerda