Share |

Cara ou coroa?

O poder do sistema e dos 1% ri satisfeito e alimenta as rivalidades dos candidatos porque sabe que quanto mais o eleitorado nelas se entretiver mais ele dorme descansado.

Um artigo de Miguel Guedes suscitou-me o seguinte comentário:  … Diz o autor do artigo que “A nova versão dos “Triunfo dos porcos” de George Orwell adivinha-se no “read my lips” de Donald Trump”. Só que, qualquer nova versão já não é nova porque a de hoje e de ontem já são um big brother descomunal sobre os cidadãos norte-americanos e sobre o mundo inteiro.

Sim, a política real não se faz lançando “napalm” sobre tudo e todos, esperando que da terra algo floresça. Só que, não só republicanos, como vários antecessores democratas, já lançaram esse mesmo napalm sobre tudo e todos e só floresceram cadáveres.

Sim, Clinton é apenas mais do mesmo em versão requentada, mas isso significa a permanência requentada de uma política terrorista e imperialista que destruiu muitos estados, esmagou e esmaga muitos povos e é responsável pela morte de milhões de pessoas em todo o mundo. E também nela estão presentes “o retrocesso civilizacional, racismo e xenofobia, imperialismo do “eu”, misoginia e ignorância” que o seu concorrente protagoniza.

E o “sonho americano que os EUA espelham” já não tem espelho onde se espelhar, porque há muito morreu e aquilo que hoje persiste a enganar o próprio povo americano e muita gente pelo mundo fora, é uma mentira colossal fruto do imenso poder do dinheiro, da guerra e dos media, que, mais tarde ou mais cedo, em primeiro lugar o próprio povo americano, terá de vencer….

Agora acrescento: o poder do sistema e dos 1% ri satisfeito e alimenta as rivalidades dos candidatos porque sabe que quanto mais o eleitorado nelas se entretiver mais ele dorme descansado. Só o abstencionismo, o mal-estar geral e a desconfiança popular, o incomodam. Ainda assim, respira fundo ao ter conseguido que o Bernie fosse ao beija-mão da Hillary, sentando-se ao seu lado e pedindo o voto para ela.

À esquerda que descobre sempre um mal menor e inventa sempre uma desculpa, parece que não lhes serviu de lição o Obama.

Mas, nos EUA e um pouco por todo o mundo, pequenas franjas e partidos parecem estar a aprender essa lição e ficam mais capazes de só ver o mal menor onde ele realmente ainda existe.  Hillary Clinton e Donald Trump são a cara e a coroa do mesmo mal maior.

Artigo publicado no blog a contradição em 8 de novembro de 2016.